Justiça isenta juízes de desconto do IR nas férias
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
12/8/2013 - Época Negócios / Por Sylvio Micelli
 
FOTO DIVULGAÇÃO

A Justiça Federal decidiu que os juízes federais estão isentos do desconto de imposto de renda (27,5%) sobre o adicional de um terço de férias. A medida atende à ação movida pela Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), em nome de centenas de magistrados. A entidade de classe pediu afastamento da incidência do tributo sob argumento de que o terço constitucional de férias “constitui parcela com evidente caráter indenizatório”. Todos os trabalhadores estão sujeitos à cobrança, desde que não isentos – os que ganham abaixo do patamar mínimo.

A sentença que livra os magistrados foi decretada dia 13 de junho pela juíza federal Maria Cândida Carvalho Monteiro de Almeida, substituta da 17.ª Vara Federal em Brasília. Em comunicado interno, a Ajufe informou os magistrados arrolados no processo de que o desconto já foi suspenso a partir da folha de pagamento de junho.

A juíza amparou sua decisão em julgamentos do Superior Tribunal de Justiça e do Supremo Tribunal Federal. “Concluo que o adicional de férias tem natureza indenizatória, forte no entendimento da Primeira Seção do STJ e da Segunda Turma do STF, não havendo, pois, falar-se em acréscimo patrimonial apto a caracterizar o fato gerador do imposto de renda.”

Ela condenou a União a “restituir os valores indevidamente recolhidos a título de imposto de renda sobre as parcelas referentes ao terço constitucional de férias, com correção monetária e juros de mora”. A conta sobre o montante a ser levantado pelos magistrados será realizada com base no Manual de Orientação de Procedimentos para os Cálculos da Justiça Federal – usado para a correção de valores devidos em ações judiciais, incluindo índices e períodos -, “observada a prescrição quinquenal”.

Na ação, a Ajufe observou que “o STF, examinando situações bastante similares à espécie, firmou orientação de que não incide a contribuição previdenciária sobre o terço de férias porquanto se cuida de parcela que não integra a remuneração do trabalhador, revestindo-se de conteúdo indenizatório”. A União argumentou que qualquer valor pago a pessoa física “em virtude de trabalho prestado, com habitualidade, integra o salário de contribuição e, consequentemente, sujeita-se à incidência de contribuições previdenciárias respectivas”. A União considera que o período de férias gozadas é considerado tempo de serviço.

A juíza ponderou que o caso dos autos se refere à incidência de imposto de renda e não de contribuição previdência. “Entretanto, não se pode admitir que a natureza jurídica de uma verba transmude-se a depender do tributo em questão.” O presidente da Ajufe, desembargador Nino Toldo, disse que “a decisão apenas aplica a jurisprudência do STJ sobre o tema”. “Trata-se de um direito que já foi reconhecido para outros servidores públicos e empregados celetistas”.

 
 
 
19/9/2019 - Assetj
Servidores pressionam juízas do TJSP pelo pagamento de atrasados e nomeação de concursados---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
25/9/2019 - Pública Central do Servidor
STF decide: “Não cabe indenização por falta de revisão de vencimentos”---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
22/9/2019 - Pública Central do Servidor
Reformas sob a perspectiva do Presidente da Pública, José Gozze---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
30/9/2019 - Assetj
Audiência Pública contra o PL 899/2019 na Alesp

De iniciativa do deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL) e do presidente da Pública, José Gozze, a Audiência Contra o Calote dos Precatórios foi realizada na noite desta segunda-feira (30), no Plenário José Bonifácio da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
5/10/2019 - Assessoria da Deputada Alice Portugal
Bolsonaro é desmentido por Servidores públicos---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
7/10/2019 - CNSP
Vitória da CNSP no STF: Índice de correção de precatórios a partir de junho de 2009 será o IPCA-E---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
2/10/2019 - Pública Central do Servidor
Lewandowski suspende contribuição sindical patronal e de trabalhadores---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica
 
 28 Outubro
Dia do Servidor Público
----------------------------------------------