Relação entre Judiciário e sistema financeiro é debatida na EPM
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
24/2/2014 - Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo / Por Assetj
 

Magistrados e representantes das principais instituições financeiras do País reuniram-se hoje (21), na Escola Paulista da Magistratura (EPM), para o seminário O Poder Judiciário e o sistema financeiro. 

O evento teve a participação do presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador José Renato Nalini, coordenador do seminário; do desembargador Armando Sérgio Prado de Toledo, diretor da EPM; do desembargador Jeferson Moreira de Carvalho, coordenador da EPM e presidente do Instituto Paulista da Magistrados (IPAM); do presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Murilo Portugal Filho; do presidente do Itaú, Roberto Egydio Setúbal; do vice-presidente executivo do Bradesco, Alexandre da Silva Glüher; do gerente executivo do Banco do Brasil, Vito Antônio Boccuzi Neto; e do economista chefe do Safra, Carlos Kawall; além de outras autoridades e profissionais do sistema financeiro.    

O presidente da Febraban, Murilo Portugal Filho, ressaltou que os bancos reconhecem o excesso de ações judiciais do setor, que é o terceiro maior do País, mas observou que os bancos são mais litigados (54% das demandas) do que litigantes, frisando, ainda, que são contra o superindividamento. “Esse posicionamento tem levado à criação de setores internos de conciliação, além do diálogo com o Judiciário para a busca de medidas pré-processuais”, afirmou, salientando que o Judiciário brasileiro tem dois grandes valores: independência e juízes altamente capacitados. “Isso nos dá otimismo para a solução de problemas”, frisou.

O gerente executivo do Banco do Brasil, Vito Antônio Boccuzi Neto, também citou a busca da realização de acordos pelo banco e apontou algumas medidas adotadas, como convênios com os principais Procons do País, participação em mutirões de conciliação e criação de fóruns internos para discutir questões como o superindividamento. “Também buscamos o diálogo com o Judiciário e, apesar das dificuldades, diante do gigantismo do Tribunal paulista, estamos fazendo essa interlocução, inclusive, por meio do Cejusc (capital)”, ressaltou.

O vice-presidente executivo do Bradesco, Alexandre da Silva Glüher, frisou que o banco adota a orientação jurídica do “bom direito”: “Procuramos recorrer ao Poder Judiciário apenas quando houver a possibilidade de êxito”, asseverou, acrescentando que a política administrativa da instituição tem sido a de adesão a todas as campanhas de mediação e conciliação.

O presidente do Itaú, Roberto Egydio Setúbal, apontou as dificuldades enfrentadas pela instituição diante do excesso de litigiosidade e da demora na resolução das demandas, além de outras situações que aumentam a expectativa de perda dos bancos, o que acaba onerando os clientes. “Precisamos buscar formas de tornar todo o sistema mais eficiente, reduzindo as perdas“, frisou, salientando que o banco implementou uma política de apenas levar adiante as ações que consideram que devem ser enfrentadas e buscar ampliar a conciliação.

O economista chefe do Safra, Carlos Kawall, citou o cenário mundial de recuperação econômica e afirmou que diversos países realizaram reformas e que o Brasil perdeu competitividade por não ter aplicado as medidas necessárias. “Existem questões pendentes que vêm de outras décadas, além da guerra fiscal e do atraso na reforma tributária, entre outros problemas, que aumentam o ‘custo Brasil’, provocando inseguranças que dificultam a realização de investimentos no País”, frisou.

No encerramento do evento, o presidente Renato Nalini ressaltou que o debate foi bastante produtivo, lembrando que o Judiciário não tinha o hábito de dialogar com seus clientes. Ele discorreu sobre as consequências da existência de quatro instâncias de julgamento, chamando a atenção para a “patologia” que representa a existência de quase 100 milhões de processos para uma população de 200 milhões: “Isso decorre da ‘judicialização da vida’”, observou, acrescentando que apenas no Estado de São Paulo são 12 milhões de execuções fiscais, ao custo de R$ 1,5 mil cada.

Nesse sentido, apontou a importância de a sociedade perceber que custeia a Justiça e que esses custos continuarão a aumentar se ela não aprender a dialogar e procurar resolver suas questões, sem necessitar da tutoria do Judiciário. “A partir de encontros como esse, talvez encontremos alternativas e possamos enfrentar a agenda de reformas, tantas urgentes, que ainda não estamos enfrentando”, concluiu.

 
 
 
10/6/2019 - Celso Giannazi
Assetj participa de debate A Farsa da Previdência---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6/6/2019 - Assetj
Servidores de Ribeirão na luta pela Reposição Salarial---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6/6/2019 - Assetj
Pública participa de Plenária preparatória da Greve Geral---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
4/6/2019 - Assetj
TJSP abre inscrições para remoção---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
26/6/2019 - Assetj
Audiência Pública discute Reforma da Previdência

A luta é para que essa Reforma não seja votada.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
31/5/2019 - Assetj
Servidora morre durante expediente no Fórum de Sorocaba---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
4/6/2019 - Assetj
Assetj participa de Sessão Solene no Dia do Escrevente---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
29/5/2019 - Pública Central do Servidor
Fonacate protocola 10 emendas à PEC da Reforma da Previdência

Desconstitucionalização das regras previdenciárias, idade mínima, regras de transição, pensão por morte, alíquotas de contribuição dos servidores públicos são alguns temas das emendas elaboradas pelo Fórum.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica