Gratificação dos agentes tem que ser para todos
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
28/2/2014 - Assetj / Por Assetj
 
DIVULGAÇÃO

A lei nº 1217/2013 foi aprovada pela Assembleia Legislativa a partir de projeto encaminhado pelo próprio Tribunal de Justiça e sancionada pelo Executivo. No artigo 11 desta lei é concedido aos ocupantes dos cargos de Agente Administrativo Judiciário, Agente Operacional Judiciário e Agente de Serviços Judiciário, em exercício nas Unidades Judiciais de Primeiro e Segundo Grau, Gratificação pelo Desempenho de Atividades Cartorárias correspondente a 65% (sessenta e cinco por cento), calculada com base no Padrão 1-A da Escala de Vencimentos – Cargos Efetivos.

A primeira questão a ser apresentada é qual a razão da concessão dessa gratificação? A história responde: O Tribunal de Justiça ficou décadas sem formalizar concursos que preenchessem os cargos necessários de Escrevente Técnico Judiciário. Neste período, muitas varas novas foram inauguradas, o número de processos aumentou sensivelmente, muitos servidores se aposentaram, morreram, prestaram outros concursos etc.

Com isso, o número de escreventes diminuiu em todas as unidades do Tribunal, tanto nas cartorárias como nas administrativas. A saída simplória que encontraram foi utilizar um trabalhador de outro cargo, o Agente, para fazer às vezes de escrevente. Repito, em todas as unidades era feito e ainda fazem o serviço de Escrevente sem o correspondente valor no salário.

A alta administração não precisou se preocupar com concursos e ainda gastou menos. E gastou menos não só com os auxiliares, mas também buscando funcionários das prefeituras e estagiários.

O abuso com os Agentes cresceu tanto que eles resolveram entrar com ações de desvio de função e começaram a ver suas reclamações aceitas pela Justiça. Essa foi uma das razões de ser colocado na Lei nº 1217/13 um artigo para garantir a gratificação aos agentes, assumindo portanto, que eles exercem função acima daquela para o qual prestaram concursos.

A aprovação dessa gratificação nada mais é do que assumir um erro do passado onde realmente havia e ainda há desvio de função.

Só que como um erro leva a outro, mais um buraco negro foi criado. Vários agentes, que por ironia do destino não foram designados para cartório judicial, ficaram sem ter direito a essa gratificação. Querem tapar o sol com a peneira. Como se esses, por estarem em unidades administrativas não estivessem em desvio de função. Estão sim!

Nas unidades administrativas também temos o Agente fazendo serviço de Escrevente porque não existe número suficiente de Escreventes.

Temos inclusive casos em que o agente está designado para o protocolo da comarca, tido como administrativo, mas por onde entram processos judiciais e suas petições. Mesmo assim por ter em sua nomenclatura a palavra administrativo não é associado ao judicial e portanto também esses agentes ficam sem a gratificação.

Nossa manifestação não quer ficar só no tom de lamento e reclamação contra a injustiça. Apresentamos ao presidente Ivan Sartori, ao fechar das cortinas de sua administração, um projeto de resolução que acabaria com a injustiça do Tribunal de Justiça. Agora reapresentamos para o presidente José Renato Nalini que, ao assumir, discursou falando da importância de cada um dos servidores do Judiciário. Esperamos que juntos possamos encontrar a solução.

O número de servidores nessa situação é ínfimo assim como a verba necessária para resolver esse problema. Nós vamos tomar todas as providências para sua solução. O assunto será pauta da Assembleia de Servidores e da mesa de negociação, que ainda achamos a melhor maneira de solucionar conflitos.

José Gozze
Presidente

 
 
 
26/6/2019 - Assetj
Audiência Pública discute Reforma da Previdência

A luta é para que essa Reforma não seja votada.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
28/6/2019 - Pública Central do Servidor
Centrais definem data de mobilização nacional---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
19/7/2019 - Centrais Unificadas
Os próximos passos da luta em 2019---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica