Após 25 anos de EPM, Tribunal cria Escola dos Servidores
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
8/4/2014 - Assetj / Por Janaína Marquesini e Marianna Oliveira
 
Escola Paulista da Magistratura

Há um mês o Tribunal de Justiça de São Paulo publicou a portaria nº 8965/14 com um anúncio muito esperado pela Assetj: uma escola para os servidores da Justiça do Estado de São Paulo. Desde então a equipe de reportagem da Assetj está apurando informações sobre a medida.

De acordo com o texto da Portaria, publicado no Diário Oficial em 10 de março, o objetivo principal é aperfeiçoar e capacitar de forma contínua os servidores do TJ-SP.

O início das atividades da Escola está previsto para o segundo semestre de 2014 com funcionamento no prédio da Escola Paulista da Magistratura (EPM) que existe há 25 anos dedicada exclusivamente aos juízes e desembargadores. Agora a mesma estrutura vai atender a necessidade de todo Tribunal, com a Escola Judicial dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (Ejus).

Essa é uma luta de mais de 20 anos da Assetj que sempre defendeu a capacitação do servidor. José Gozze relembra que a entidade sempre bateu nessa tecla “em tempos que se cobra tanto do servidor, dar condições de trabalho e qualificação é dever do Tribunal” afirmou.

Em entrevista exclusiva à Assetj, o diretor da EPM, desembargador Fernando Maia da Cunha, responsável pela Ejus, declarou que por uma questão de custo, a maioria dos cursos serão ministrados no prédio da EPM. 

Em 2012, o Tribunal deu os primeiros passos para qualificação com a criação do Centro de Treinamento e Apoio aos Servidores (Cetra), um programa de aprimoramento criado na gestão de Ivan Sartori. Maia da Cunha explicou que o Cetra foi o embrião para esta iniciativa, porém com uma proposta de ensino diferente “ao invés de palestras, os servidores poderão se matricular nos cursos funcionais voltados para as atividades que praticam no dia-a-dia” explicou. 

Para o ex-presidente do Tribunal e idealizador do Cetra, Ivan Sartori, mesmo com a criação da Escola o Centro de Treinamento deveria persistir. “A Escola tem que funcionar no mesmo modelo, de forma itinerante e ir aonde o servidor está. Tem que sentir o que pensa e o que almeja o servidor, com vistas à melhora da produtividade e do ambiente de trabalho”, ponderou.

De acordo com as explicações do diretor da EPM, a Escola vai continuar o legado do antecessor. Maia da Cunha adiantou ainda que para atender a demanda de servidores no interior continuará utilizando o método do Cetra, indo até as comarcas e levando aprimoramento. Porém, ainda não existe definição dos cursos oferecidos, somente adiantou que alguns serão genéricos para todos, e neste caso à distância. O certificado da Escola será aceito no Plano de Cargos e Carreiras que prevê um adicional de qualificação aos servidores “seria muito estranho que a Escola dos Servidores não desse esse título” afirmou Maia da Cunha.

A organização da Ejus já tem um corpo direto composto pelos Secretários de Recursos Humanos, de Primeira Instância e de Tecnologia e Informação. Mesmo sob argumento do Tribunal de que esse grupo é formado por três servidores, a Assetj também exige participação nas decisões e organização da Escola, pois os indicados representam a administração do TJ-SP e não os servidores.

“Queremos ter representação dissociada da administração e acompanhar de perto todos os passos da formação da Escola, afinal conhecemos o dia-a-dia do trabalho forense, nada mais justo que uma representação legítima de quem está lado a lado do funcionário do Tribunal por mais de 30 anos” afirmou José Gozze.

A Assetj entende que a Ejus deverá oferecer treinamentos de formação profissional, informática, cursos específicos sobre direito, disciplinas técnicas como código de processo penal, civil, entre outros, além da abordagem de assuntos como humanidades e psicologia, por exemplo. Também é essencial que o servidor tenha um conhecimento de como é o sistema do Poder Judiciário do Brasil.

 
 
 
19/7/2019 - Centrais Unificadas
Os próximos passos da luta em 2019---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
2/8/2019 - Pública Central do Servidor
Sessão Solene em homenagem aos 4 anos da Pública---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica