Entidades lutam para TJ cumprir a Lei
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
5/12/2014 - Assetj / Por Raquel Munhoz e Janaina Marquesini
 
FOTO RAQUEL MUNHOZ
José Gozze repudiou a posição do TJSP e argumentou que a lei deve ser cumprida na totalidade.

No dia 3 de dezembro, a Assetj e entidades do Judiciário tiveram mais um encontro para discutirem o pagamento do Adicional de Qualificação (AQ) previsto na Lei 1217/14. 

A reunião teve início às 10h com a participação da assessoria da presidência do Tribunal de Justiça representada pelo desembargador Antônio Carlos Malheiros e pelas juízas assessoras Maria Fernanda Rodovalho e Maria de Fátima Pereira da Costa e Silva. Abrindo a discussão, os representantes do TJSP anunciaram que o AQ mudou a nomenclatura e agora é Prêmio de Qualificação. 

Em seguida, as juízas e o desembargador afirmaram que o TJSP pretende aplicar o pagamento do Adicional apenas aos servidores que possuem graduação, deixando de fora aqueles que possuem outros títulos como especializações, mestrados e outros cursos. A proposta foi negada de imediato pelas associações.

José Gozze repudiou a posição do TJSP argumentando que a lei deve ser cumprida na totalidade. “Vocês estão rasgando uma lei sancionada” disse o líder do funcionalismo “É a própria justiça descumprindo uma determinação legal. Isso é inconcebível!” afirmou.

Outro ponto polêmico e que não agrada os servidores foi sobre os direitos dos aposentados. O TJSP não pretende estender o Prêmio aos inativos, contrariando novamente o texto da legislação e que não será aceito pelas entidades representativas. 

A reunião com Malheiros e com as juízas foi encerrada com muitas insatisfações. Diante da recusa das entidades, os assessores pediram para que as associações participassem do Pleno para que pudessem apontar soluções para o problema.

Na sessão do Órgão Especial houve participação das duas entidades do Judiciário Assetj e Assojuris representadas pelos seus presidentes. 

Gozze argumentou ao Pleno que o pagamento aos inativos é justo, pois durante o período em que estiveram trabalhando pelo Tribunal e tinham nível superior, de alguma forma contribuíram com seu conhecimento e desempenharam melhor as suas funções.

Continuando a fala, o líder do funcionalismo trouxe também a discussão sobre a base de cálculo, pois da forma que está sendo feita, apresenta grandes prejuízos ao servidor. Ao contrário do que se esperava, o TJSP quer pagar o Prêmio com cálculo pelos vencimentos iniciais do cargo e não pelo valor bruto dos vencimentos.

Em defesa dos servidores, o desembargador Paulo Dimas afirmou que a lei deve ser aplicada imediatamente. Ao fim da discussão, o presidente José Renato Nalini  solicitou às entidades que apresentem ao Tribunal possíveis soluções para o pagamento do Prêmio.

A exigência dos servidores é que o Prêmio seja pago aos ativos e inativos com qualquer curso a partir de fevereiro e sobre os vencimentos totais. Somente assim a lei será cumprida na sua totalidade.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica