Adicional de Qualificação: servidores têm dois votos favoráveis no Pleno
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
12/3/2015 - Assetj / Por Janaína Marquesini
 
FOTO JANAINA MARQUESINI
A expectativa é que o Tribunal pague os beneficiários do AQ de acordo com a Lei 1217/13

Na tarde desta quarta-feira (11) a Assetj esteve novamente em na Sessão Plenária do Órgão Especial do TJSP para acompanhar de perto a votação para os critérios de pagamento do Adicional de Qualificação.

Desde a última sessão na última semana, a expectativa é que o Tribunal pague os beneficiários do AQ de acordo com a Lei 1217/13 que é clara quanto a inclusão dos aposentados e base de cálculo sobre os vencimentos brutos.

Para representar os servidores, os presidentes da Assetj, José Gozze, e da Assojuris, Carlos Alberto Marcos (Alemão), integraram a Tribuna do Pleno.

Abrindo a discussão, o desembargador Paulo Dimas de Bellis Mascaretti votou favoravelmente aos servidores com fortes argumentos.

“A ideia foi permitir que, com algumas novas vantagens funcionais, fosse possível premiar servidores que procuram se desenvolver academicamente com vistas à melhor prestação juridiscional”, iniciou.

De acordo com o voto de Dimas, o pagamento deve ser feito aos servidores inativos a exemplo dos ativos, descontando-se a contribuição previdenciária, justificando que a incidência da contribuição previdenciária reduziria ou até mesmo evitaria o impacto orçamentário na implantação dessas vantagens.

Após citar como exemplo o que acontece na Justiça Federal, Dimas continuou com o voto defendendo os aposentados. “O encontro de 26 de julho de 2013, aqui no Palácio da Justiça [referindo-se ao Pleno] definiu o Adicional de Qualificação com extensão expressa aos aposentados que já eram graduados no exercício da função. Não há dúvida sobre contemplar os inativos”, completou.

Dimas explanou ainda que consultou a assessoria e que cerca de 4400 servidores aposentados serão beneficiados e que os mais de 24 mil servidores ativos irão custear este pagamento com suas contribuições. Tornando possível a plena aplicabilidade imediata da Lei.

Já a respeito da base de cálculo, a proposta é que sejam incorporados com base no artigo 133 da Constituição do Estado, ou seja, décimos calculados sobre os vencimentos integrais.

“Peguei um holerite de um servidor e verifiquei os décimos incorporados e sobre eles nós temos a incidência da sexta parte”, completou. Com esse argumento, Dimas reconhece que o Tribunal não pode caracterizar efeito cascata nessa situação.

“Proponho imediato pagamento do Adicional de Qualificação a todos os servidores aposentados, observada regulamentação já aprovada em prol dos servidores em atividade com a consequente contribuição previdenciária e ter como consideração na base de cálculo do AQ dos décimos incorporados na forma do artigo 133 da Constituição Estadual”, concluiu.

Em seguida, o presidente do TJSP, José Renato Nalini, passou a palavra ao desembargador Antonio Carlos Malheiros, que acompanhou o voto. “Qualquer dúvida que eu pudesse ter foi completamente espancada pelo brilhante voto do Dr. Paulo Dimas e eu acompanho completamente todos os termos do voto”, declarou.

Diante disso, Nalini informou que irá acionar a Secretaria de Finanças do Tribunal para levantamento dos recursos financeiros necessários.

“Esta proposta altera significativamente aquilo que a presidência havia apurado, por isso preciso que e a Secretaria de Orçamento e Finanças faça os cálculos exatos daquilo que isso representaria e da alegada compensação com o desconto da verba previdenciária. Temos todo empenho em atender os funcionários”. Com essa declaração, Nalini retirou o processo novamente para que sejam feitos esses estudos.

Segundo José Gozze, este voto é uma vitória, pois está dentro de tudo que foi defendido. Porém a decisão da presidência de retirar de pauta deixa no ar uma incerteza.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica