Decisão do Supremo Tribunal Federal não será cumprida? Nova PEC do calote vai ser feita? Chega!
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
13/4/2015 - Assetj / Por Julio Bonafonte
 
FOTO AGÊNCIA ALRS

Nem foi publicada a decisão do Supremo Tribunal Federal na ADI 4357 sobre a PEC 62/09 - Calote dos Precatórios que determina o prazo de 5 anos, ou seja, de 2016 a 2020 para os caloteiros efetuarem o pagamento dos precatórios com base no IPCA-E, sob pena de sequestro de rendas, Prefeitos reunidos em Brasília, Advocacia Geral da União, Presidente Dilma Rousseff, Ministros Aloizio Mercadante, Nelson Barbosa e especialmente o Vice-Presidente da República Michel Temer (atual articulador político do Governo), noticiam a elaboração de nova PEC II - Proposta de Emenda Constitucional que já podemos denominar "O Retorno do Calote" ou "O Calote sem Fim dos Precatórios".

Por incrível que pareça, nada é mais assustador e desmoralizador no país de mensalões, petrolões e sonegações de impostos, se considerarmos que o Presidente do Senado e Câmara Federal inseridos na lista Janot da corrupção da Petrobras, fazem parte desta sórdida manobra legislativa.

Não é sem motivo que as manifestações públicas com milhões de brasileiros no exercício da cidadania, bradam o CHEGA!

Lembro a todos que a autoria da PEC I - 62/2009 - Calote é do Senador Renan Calheiros e quem aprovou na Câmara Federal na Constituição de Justiça foi o Deputado Eduardo Cunha.

Continuam os mesmos, nada mudou.

Nem os pronunciamentos do Prefeito de São Paulo Fernando Haddad ou a deslumbrada Prefeita Maria Antonieta do Guarujá e dos Prefeitos de Santo André Carlos Grana, de Diadema Lauro Michels, de São Bernardo Luiz Marinho, de Porto Alegre José Fortunati, do Rio Grande da Serra Gabriel Maranhão, de Mauá Donisete Pereira Braga não são novidades, pois tambem são os mesmos atuais caloteiros de plantão.

O Especialista em Gestão Pública Valter Batista de Souza escreveu um artigo publicado no diário do litoral em 30/03/2015 ao analisar a situação financeira da Prefeitura do Guarujá que para pagar os precatórios "basta diminuir as 18 Secretarias, 18 Secretários adjuntos ganhando R$14.200,00 cada um, reduzir pela metade o valor dos contratos de consultoria, os gastos com aluguéis, rever o valor na aquisição de feijão, melancia, adoçante acima do preço do mercado, rever o preço da carne, que é pago como sendo de primeira e entregue de segunda, rever o pagamento pelo asfalto, controlar melhor o peso do lixo coletado, verificar de fato os passes livres pagos aos alunos da rede municipal, visto que muitos usam bicicletas", que estaremos fazendo uma economia considerável para fazer frente ao devido pagamento dos precatórios no prazo decidido pelo Supremo Tribunal Federal. 

Acrescento à análise a verba de publicidade e gastos políticos-promocionais com shows de artistas e outros gastos não prioritários para quem deve.

Causa estranheza e não surpresa, o fato de que tratam a decisão do Supremo Tribunal Federal na ADI nº 4357 - Precatórios como "inesperada", "incabível", "inviável", "superada", "incompatível", "insustentável" "e que a Justiça está cometendo um grande erro", transformando as Prefeituras "ingovernáveis", quando indagados sobre o cumprimento da mesma. 

Ora, a decisão da mais alta Corte do Judiciário não é para se gostar, discutir, desacreditar ou descumprir, mas sim, única e exclusivamente cumpri-la, sob pena de punição.

Quando tomam posse, juram cumprir a Constituição Federal e as decisões judiciais e agora na cadeira de governante absurdamente afrontam acintosamente e querem reduzir a decisão do Supremo, como se estivessem tratando de "Supremo de frango".

A surpresa inexiste porque infelizmente já em 2003, o mesmo Supremo Tribunal Federal, a meu ver, grande culpado pelo calote, coniventemente com os caloteiros de plantão não puniu no julgamento das intervenções pelo não pagamento dos precatórios, descumprindo a Constituição Federal, que deve zelar como guardião da mesma, lavando as mãos como Pilatos e se omitindo, originando mais 12 anos de calote.

Duro golpe para os credores alimentares que acreditavam na Justiça, no cumprimento das decisões judiciais e na Constituição Federal, pois muitos (mais 85.000) faleceram sem receber em vida o legítimo crédito. 

Os que ainda vivem, é bom repetir, o calote já dura 33 anos, estão assistindo mais um dramático capítulo da novela sem fim.

Devemos aguardar, porém alerto, e já manifesto repúdio à nova PEC do Calote ou qualquer tentativa de descumprimento da decisão do Supremo Tribunal Federal.

Se acontecer, entrarei com reclamação perante o próprio Supremo Tribunal Federal para que nos termos do artigo 102, inciso I, Letra L, assim proceda:

Artigo 102 caput "Compete ao Supremo Tribunal Federal precipuamente a guarda da Constituição, cabendo-lhe:”

                           ........................................

“L - Reclamação para preservação de sua competência e a garantia da autoridade de suas decisões" (G.N.), que é exatamente o caso.

Não aceita a reclamação pelo Supremo, omissão ou acomodação política-jurídica merecerá ato público a se realizar em Brasília, sepultando o Poder e declarando-o como "Tribunal das causas decididas e não cumpridas", com o fim da segurança jurídica, ferindo de morte o Estado Democrático de Direito e a cidadania, pois nenhuma decisão terá sentido ou valia.

Ainda acredito que isso não vai acontecer, motivo pelo qual, os governantes de plantão devem estabelecer plano de pagamento, sob pena de crime de responsabilidade, improbidade administrativa, inelegibilidade.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica