O precatório "nefelibata" terrorista financeiro do Brasil
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
18/5/2015 - Assetj / Por Julio Bonafonte
 
FOTO AGÊNCIA ALRS

O Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo em entrevista de 11/05/2015 ao jornal Diário do Grande ABC afirmou: "Mudança na regra de precatórios gera terrorismo no Brasil". 

Era só o que faltava, mesmo ressalvando que a questão dos precatórios alimentares é outro tema, bem mais complexo, mas sem dúvida, a afirmação é irresponsável, absurda, incompatível e inconcebível para o Chefe do Poder Judiciário em São Paulo, só podendo ser considerada lembrando os episódios da série televisiva "Perdidos no Espaço" e o termo "nefelibata" que significa nas nuvens, transforma o mandatário em astronauta fora de órbita em rota de colisão com a Justiça, a segurança jurídica, a Constituição Federal e o cumprimento da decisão judicial. 

O planeta do calote não existe mais na galáxia e noplaneta Terra a tal "zona de conforto" (calote), foi parar no "buraco negro infinito", ou seja, desapareceu no universo do descumprimento da obrigação de pagar o que deve.

Os mandatários que apóia e quer proteger em sua nave são os mesmos Prefeitos caloteiros do ABCD, que não querem cumprir a decisão do Supremo Tribunal Federal, como se isto fosse possível.

O inacreditável é que o Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo abandonou toda a proteção judicial, dizendo: "Não adianta a Justiça ordenar, cumpra-se. Já houve um tempo que era "faça-se Justiça e o mundo pereça" e arremata avaliando que a decisão do Plenário do Supremo, repita-se: "Mudança na regra de precatórios gera terrorismo no Brasil". 

Terrorismo de Estado como define Wikipédia é: "O recuso usado por governos ou grupos para manipular uma população conforme seus interesses".

É importante destacar que as vítimas desse terrorismo são os credores de precatórios, especialmente os de caráter alimentar que nesses últimos 30 anos tem falecido e mesmo não tipificado no Código Penal é um verdadeiro crime de "precatoricídio financeiro", ou seja, não receber em vida os precatórios dos governantes caloteiros o legítimo direito. 

Defender nova PEC como fez é ser porta voz da desobediência à decisão judicial do Supremo, merecendo total repúdio, a ponto dos credores desejarem que desocupe o cargo para o qual foi eleito por tentar frustrar a liquidação regular do pagamento dos precatórios, incorrendo em crime de responsabilidade previsto no artigo 100 parágrafo 7o (atual redação da E.C. no 62/2009), que assim dispõe: "O Presidente do Tribunal competente que, por ato comissivo ou omissivo, retardar ou tentar frustrar a liquidação regular de precatórios, incorrerá em crime de responsabilidade e responderá, tambem perante o Conselho Nacional de Justiça”. 

Lamentável a sua postura de abandonar o "sim" para só dizer “não”, desestimulando a luta pela legalidade, eficiência e moralidade na Administração Pública, princípios inseridos no artigo 37 caput da Constituição Federal, e equivocada a afirmação que tinha de que a E.C. 62/2009 estava funcionando e que deveria ser preservada. 

Eu, junto com a OAB, questionamos a inconstitucionalidade da E.C. 62/2009 denominando-a como PEC do calote - ADI 4357, tendo defendido oralmente no Plenário do STF que era sim inconstitucional, mais 15 anos de moratória, a maldita aplicação do indexador TR como fator de atualização e outros dispositivos prejudiciais aos credores, como a preferência de pagamento aos idosos e doentes somente na data da expedição do precatório. 

Atribuir "terrorismo" a uma decisão que se não é a ideal para os credores, pelo menos atendeu o mínimo, que é fixar o prazo máximo em 5 anos para pagar 2016-2020, aplicar indexador IPCA-E e não TR para atualização monetária, fim do leilão e mantença do sequestro de renda no caso do não pagamento, bem como, conceder a preferência aos doentes e aos idosos que completarem 60 anos a qualquer tempo. 

Sem dúvida, terrorismo financeiro é o que pratica as entidades devedoras caloteando o pagamento dos precatórios e não cabe ao Judiciário dar guarida a esses caloteiros de plantão, manchando o manto da Justiça, desprezando a Constituição Federal e o ordenamento da decisão judicial. 

Mister se faz alertar ao Presidente do TJ, que terrorismo maior é não dar meios instrumentais, como: funcionários, Juízes e outros recursos operacionais para solucionar a grave situação em que se encontram os depósitos judiciais de precatórios já efetuados e que se encontram paralisados há anos na Vara de Execuções da Fazenda Pública prejudicando os credores que necessitam dos recursos financeiros, muitos vindo a falecer desde a data do depósito até o presente, tudo por causa do "não"burocrático. 

O Presidente do STF pode ser "homem cosmopolita, cidadão do mundo", conhece a realidade, mas como votante vencedor na decisão do Supremo tem o dever de zelar e sustentá-la como guardião da Carta Magna, sob pena da falência do Poder Judiciário e o fato de não ser "nefelibata" não vai querer nuvens ou tempestades de meteoritos se chocando com o Estado Democrático de Direito, pois para a segurança jurídica devemos sempre dizer sim!

JULIO BONAFONTE 

 
 
 
10/6/2019 - Celso Giannazi
Assetj participa de debate A Farsa da Previdência---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6/6/2019 - Assetj
Servidores de Ribeirão na luta pela Reposição Salarial---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6/6/2019 - Assetj
Pública participa de Plenária preparatória da Greve Geral---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
4/6/2019 - Assetj
TJSP abre inscrições para remoção---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
26/6/2019 - Assetj
Audiência Pública discute Reforma da Previdência

A luta é para que essa Reforma não seja votada.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
31/5/2019 - Assetj
Servidora morre durante expediente no Fórum de Sorocaba---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
4/6/2019 - Assetj
Assetj participa de Sessão Solene no Dia do Escrevente---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
29/5/2019 - Pública Central do Servidor
Fonacate protocola 10 emendas à PEC da Reforma da Previdência

Desconstitucionalização das regras previdenciárias, idade mínima, regras de transição, pensão por morte, alíquotas de contribuição dos servidores públicos são alguns temas das emendas elaboradas pelo Fórum.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica