Conciliação: Na contramão da efetiva Justiça
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
4/12/2015 - Assetj / Por Sylvio Micelli
 

Todo final de ano é a mesma coisa. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e os diversos tribunais e respectivas instâncias realizam uma força-tarefa, na tentativa de diminuir a quantidade de processos em tramitação em nosso país-continental.

As semanas de conciliação, que geralmente ocorrem com a proximidade do Dia da Justiça (8 de dezembro), há muitos anos tem sido vendidas como um bálsamo para a cura de todos os males. Trata-se de um reflexo direto do nosso Judiciário em estado de letargia, que ainda não se informatizou integralmente e que tem milhões de processos tramitando por aí.

Os agentes do Direito, principalmente os magistrados, opinam que o Brasil, desde a criação dos Juizados de Pequenas Causas (Lei 9099/95), fez com que o cidadão passasse e "judicializar qualquer coisa" e que a conciliação é positiva para devedores e credores.

Respeitando democraticamente o contraditório a conciliação, no fim das contas, é um embuste e não cumpre com o principal mister do Judiciário que é conceder a efetiva prestação de Justiça como Poder independente que é. O credor sempre será lesado ao ter que abrir mão de seu direito integral em nome de um processo conciliatório, um acordo que ele terá que oferecer um deságio se quiser receber de forma mais célere, alguns tostões do que lhe é devido. O devedor, por conseguinte, sempre será beneficiado até porque as grandes empresas devedoras já tem recursos no mercado de capitais, rendendo dividendos e poderão arcar tranquilamente com o que devem.

O pior é que o próprio Estado fomenta este tipo de prática, especialmente no que tange ao pagamento de precatórios que nada mais são dívidas que o poder constituído contrai com o cidadão em geral (não alimentares) ou com seus servidores (alimentares).

Conciliar, diferente do jargão usado nas campanhas institucionais, não é legal. Justiça ou é 100% ou não é Justiça. E o prejudicado sempre será aquele que está do lado mais frágil da corda.

Por Sylvio Micelli, vice-presidente e diretor de comunicação da Assetj

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica