Mandado de segurança: Percentual da receita líquida de 2,83% e não 1,5% impetrado pelo Governo de São Paulo contra o presidente do TJ
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
21/3/2016 - Acordareação / Por Julio Bonafonte
 

A ADI 4357 e Modulação decidida pelo Supremo Tribunal Federal determinou que todos os precatórios têm que ser pagos em 5 (cinco) anos, ou seja, de 2016 a 2020, sob pena de sequestro de rendas.

Já iniciamos o ano de 2016 e o Governo do Estado de São Paulo, caloteiro maior da dívida no Brasil ingressou com Mandado de Segurança contra Ato do Presidente do Tribunal de Justiça representado pelo Desembargador Coordenador da Diretoria de Execução de Precatórios, que determinou ao ente devedor a necessidade de reservar o percentual de 2,83% da receita corrente líquida para fazer frente ao cumprimento do montante da dívida.

O Governo de São Paulo somente quer comprometer 1,5% da receita corrente líquida, o que é absurdo, pois não irá cumprir a obrigação, é como "tapar o sol com a peneira", sendo que referido percentual é o mínimo, devendo se adequar ao montante da dívida, no caso, 2,83%.

O Presidente do Tribunal de Justiça está absolutamente correto em fixar o percentual de 2,83%, o que objetivou o nosso pedido de ingresso como  "Amicus Curiae", para apoiá-lo e denunciar a incorreta conduta do Estado, pois já comprometeu até 4,05% em 2005 da receita corrente líquida, conforme demonstrativos juntados.

O Desembargador Coordenador, ao apurar o percentual de 2,83% da receita corrente líquida cumpre a Constituição Federal art. 100, parágrafo 5º, artigo 97, parágrafo 1º, inciso I, parágrafo 2º do ADCT, bem como Resolução do Conselho Nacional de Justiça - CNJ.

Estranha é a afirmação que rebatemos no sentido de que pagar precatórios prejudica o orçamento do meio ambiente, pois é só o que faltava: "os precatórios poluem as finanças públicas do Estado".

Veja nosso pedido de "Amicus Curiae".

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica