Dívida do Tribunal de Justiça com servidores tem que ser paga em pecunia
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
17/7/2016 - Assetj / Por José Gozze
 
FOTO JANAINA MARQUESINI
Presidente da Assetj, José Gozze e presidente do TJSP, Paulo Dimas de Bellis Mascaretti

Tenho recebido diversas mensagens dos servidores do judiciário preocupados com a possibilidade, discutida na última reunião com as Entidades, da dívida do Tribunal de Justiça com os servidores (parcelas de reposição não pagas de 2010 - 4,77%; 2011 - 1,5%; e 2015 - 1,18%) serem transformadas em horas credoras.

Somos totalmente contrários a essa falsa solução, ainda que facultativo ao servidor a opção de recebimento em pecúnia ou gozo.

Essa dívida já se arrasta a seis anos e por diversas vezes foi reconhecida pelo Tribunal, portando tem que ser paga em pecúnia. É divida alimentícia, é reposição de inflação aprovada e sem o devido pagamento.

Não podemos dar a possibilidade de daqui para a frente parte de a reposição inflacionária ser dividida entre pecúnia e horas credoras ou gozo. Seria o mesmo que aceitar que os precatórios alimentares ou a FAM serem também transformadas para evitar o pagamento devido e acabar deixando de fora os aposentados e pensionistas.

Temos hoje um Presidente que parece enfrentar o Executivo contra o PLP 257/2016 e não podemos acreditar que o faça apenas para defender os Juízes, mas na defesa de todos os Servidores e que deve enfrentar também o executivo pela falta de verbas para cumprir a data base e melhorar o Judiciário no atendimento ao cidadão.

A informação é de que o orçamento para 2017 contempla toda essa dívida com os Servidores e que deve chegar a 20 bilhões de reais. Ora, todo ano recebemos a mesma informação e no final do ano o orçamento aprovado na Assembleia e cortado e aprovado pela metade desse valor. E nada mais é feito a não ser negar a totalidade da data base por falta de verba.

Ao Poder Judiciário cabe a obrigação do pagamento da dívida que ele mesmo reconhece em pecúnia e ao servidor exigir esse pagamento seja judicialmente seja com manifestações, negociações e até através de ações que podem chegar a paralisações parciais ou total.

José Gozze
Presidente da Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
ASSETJ

 
 
 
20/2/2019 - Assetj
Servidores do Judiciário iniciam Campanha Salarial 2019

Além da reposição salarial, servidores temem reduções salariais.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
22/2/2019 - Fespesp
São Paulo organiza Frente em Defesa da Previdência Social

Associações, Sindicatos, Federações, Confederações e Movimentos deram início à Frente Paulista em Defesa da Previdência Social, na tarde desta sexta-feira (22), na sede da Fespesp.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
20/2/2019 - Pública
Assetj representada na assembleia geral da Pública

A Assetj esteve representada por seu presidente José Gozze na assembleia da Pública Central de Servidor.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica