Participação popular: a única saída contra o retrocesso aos direitos trabalhistas
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
12/7/2017 - Assetj / Por José Gozze
 
FOTO DIVULGAÇÃO

Ontem o Senado aprovou o texto principal da reforma trabalhista, que acaba com os direitos dos trabalhadores do Brasil e que há muitos anos foram resguardados pela Consolidação das Leis do Trabalho. O PLC 38/2017, de iniciativa do presidente Michel Temer, retiram direitos dos trabalhadores e flexibilizam as relações de trabalho trazendo um enorme prejuízo aos direitos conquistados. As medidas enfraquecem profundamente a Justiça do Trabalho e permitem que acordos coletivos prevaleçam sobre a legislação. O projeto acaba com a obrigatoriedade da contribuição sindical; diz que as negociações entre patrões e empregados se sobrepõem ao estabelecido na legislação; introduz a jornada intermitente; reduz o intervalo para o almoço; autoriza gestantes e lactantes a trabalhar em ambiente insalubre; cria demissão em comum acordo, com pagamento reduzido de FGTS e aviso prévio. Outra mudança é a permissão de jornadas de trabalho de até 12 horas diárias, entre outros absurdos.

Essa enorme perda de direitos atingirá profundamente os trabalhadores e isso não tem nada a ver com a melhora no desemprego como argumentam os defensores da aprovação da matéria. A principal bandeira desse governo é que o mercado de trabalho está deteriorado, e que essas medidas virão como soluções salvadoras para solucionar o problema do desemprego, mas ninguém alerta a sociedade que, com essas perdas, o cidadão ficará ainda mais suscetível aos índices de desemprego. Pois esse conjunto de medidas é, sem dúvidas, um desestímulo à formalização de postos de trabalho o que contribui para o aumento da exploração e deixa as pessoas diante de uma vulnerabilidade social ainda mais intensa, um retrocesso para um país tão desigual como o nosso.

Nas últimas décadas diversas ameaças foram feitas à classe trabalhadora e isso é consequência do nosso despreparo na hora de escolher nossos representantes políticos que legislam e comandam em todas as esferas do poder. 

Neste momento de tanta tristeza temos que assumir papéis de combatentes e guardiões dos nossos direitos, no caso da nossa classe, a de servidores públicos, a responsabilidade é ainda maior. Somamos cerca de 16,5 milhões de servidores e devemos questionar: onde está a nossa força? Alguns pontos contrapõe a nossa luta, um deles é a imprensa que, na sua maior parte, não aborda o impacto negativo das mudanças e parece trabalhar a serviço do Governo. 

Ir para o enfrentamento é nosso dever, e como líderes do funcionalismo, nunca deixamos de cumprir esse papel. Estamos nas galerias do Congresso, nos gabinetes dos parlamentares e na cidade inteira chamando os trabalhadores para as ruas. Mas sem a força popular os resultados ficam comprometidos. É preciso que cada brasileiro se coloque na luta para resguardar direitos conquistados a tanto custo. Por isso, quando sua entidade anunciar uma assembleia geral, uma manifestação de rua e a ação extrema, mas necessária, de uma greve, é importante que haja participação. Só assim teremos a chance de frear tantas maldades e tantos perigos aos nossos direitos e nossa sobrevivência!

José Gozze - Presidente da Fespesp (Federação das Entidades de Servidores Públicos do Estado de São Paulo), presidente da Assetj (Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) e 3º vice-presidente da Pública Central do Servidor.

 

 
 
 
26/7/2017 - Assetj
Entidades conversam sobre direitos dos servidores

Estiveram presentes: Assetj, Assojuris, Assojubs, Apatej, AASPTJ, Aojesp, Affocos, Sindjesp, SINSPJUD, Sinjuris, Aecoesp e Sintrajus.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
28/7/2017 - Assetj
Como a Reforma da Previdência vai mudar sua vida?

Documento foi escrito pela Anfip, Ieprev e Frente Mineira Popular em defesa da Previdência Social

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
16/8/2017 - DIAP
Senadora sergipana quer extinguir estabilidade dos servidores

Dê sua opinião: projeto institui perda de cargo de servidor por mau desempenho

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
16/8/2017 - DIAP
Suspensão de reajuste para servidor é opção pelo mercado

Além de grave ofensa ao Estado de Direito, a aceitação da suspensão da vigência de uma lei, que beneficia trabalhadores, para favorecer o sistema financeiro, seria a completa captura do Estado pelo capital financeiro.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
26/7/2017 - Pública - Central do Servidor
TV do Servidor faz sua primeira transmissão de São Paulo

 A transmissão ao vivo da TV do Servidor poderá ser assistida na Fanpage.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
8/8/2017 - Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo
Opinião - A escancarada promiscuidade entre os Poderes

Carlos Giannazi é deputado pelo PSOL

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
8/8/2017 - A Tarde Uol
Centrais querem contribuição sindical maior do que imposto cobrado hoje

Duas das maiores centrais do País, União Geral dos Trabalhadores (UGT) e Força Sindical, defendem que de 6% a 13% de um salário mensal sejam destinados anualmente ao financiamento das entidades.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
8/8/2017 - Correio Braziliense
Reforma tributária em debate entre servidores e parlamentares

Dada a complexidade do sistema tributário, o governo conseguirá, no máximo, uma simplificação, em “um ponto aqui, outro ali”

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica
 
 23 Setembro
Excursão à 36ª Expoflora em Holambra
----------------------------------------------