Servidores: Estamos sós e por nossa própria conta
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
17/7/2017 - Pública - Central do Servidor / Por Nilton Paixão
 
FOTO DIVULGAÇÃO/ASSETJ

Reforma trabalhista foi aprovada e imposto sindical obrigatório foi extinto.  Sistema S permanecerá como fonte de financiamento das entidades patronais. E o atual Governo  permanecerá contando com um Congresso eleito nos tempos da velha política sem transparência e que veio a Brasília em sua maioria para fazer comércio.

Não há respostas boas para o curto prazo. Continuará o bom combate medida a medida.

Mas existe uma missão específica para a categoria dos servidores públicos. 

A categoria que se tornou a maior e mais expressiva  do país, próxima de 16 milhões de servidores. Maior e de mais impacto potencial do que foram metalúrgicos,  bancários ou petroleiros no passado. Categorias que paravam o Brasil.

No momento em que a população recupera a  crença de que somente serviços públicos de qualidade, e uma administração pública transparente e eficiente,  podem proporcionar uma democracia de fato, salta aos olhos o protagonismo possível aos servidores.

Servidor Público e suas entidades não podem esperar por  espaço concedido por Governo ou por outras Centrais Sindicais. Não virá dessa forma. Não será dado espaço. Não haverá reconhecimento espontâneo. Ao contrário: seremos  propositalmente relegados a um segundo plano.

Os servidores públicos estão diante de um desafio incontornável: construírem sua própria voz, ganharem força no diálogo direto com a sociedade, com a imprensa e unirem-se para fazer o autofinanciamento de suas entidades.  

Precisamos reinventar nossas entidades, tornarmos nossos discursos e atuações mais plurais, atrairmos os jovens que nos últimos anos ingressaram no serviço público, e criarmos uma plataforma de candidatos para as eleições de 2018, capaz de traduzir as aspirações de um Brasil mais moderno e multipartidário de forma saudável. Tornarmo-nos líderes além de nós mesmos, com foco em um Estado progressista, justo e eficiente.

Os servidores públicos têm a vocação e a oportunidade de terem a maior Central Sindical do país. A Pública está em seus primeiros anos de vida. Caso consiga realmente ser vista como  a maior janela de oportunidade de representação política e social do setor, tornar-se-á referência obrigatória nas negociações sobre o funcionamento do Estado, nas referências técnicas da área pública e nas articulações de acordos sociais.

Novamente: estamos sós e por nossa conta. 

Propomos que a categoria deixe de ser  reboque de organizações fincadas no passado,  mantenha a luta política possível, mas em simultâneo foque em uma agenda própria para 2018.  Uma agenda para termos a maior central sindical do país e a  relevância política e parlamentar necessária.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica