​Líder do Governo recebe entidades representativas para debater PL que congela gastos públicos estaduais
////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
23/11/2017 - Assetj / Por Marianna Oliveira
 
FOTO MARIANNA OLIVEIRA
O encontro aconteceu após a pressão que as lideranças fizeram em frente ao Colégio de Líderes na última terça-feira.

Na tarde de ontem, 22 de novembro, o líder do governo na Assembleia Legislativa, Barros Munhoz, se reuniu com as centrais sindicais e entidades representativas de servidores públicos para esclarecer o andamento do Projeto de Lei 920, de autoria de Geraldo Alckmin. Os deputados Coronel Telhada (PSDB) e Coronel Camilo (PSD) também compuseram a mesa junto a Munhoz.

O encontro aconteceu após a pressão que as lideranças fizeram em frente ao Colégio de Líderes na última terça-feira.

Foi apresentado uma minuta de emenda ao projeto afim de aprovar o texto sem mexer nos direitos dos servidores, tais como licença-prêmio, adicional de insalubridade, férias e adicional por tempo de serviço. Entretanto, os representantes insistiram na retirada do PL da Casa e falaram como ele pode afetar o funcionamento de cada serviço público, se aprovado.

José Gozze representou a Pública, Fespesp e Assetj, e foi contundente ao dizer sobre a possibilidade de greve geral caso o PL não seja retirado. "Um projeto como esse não tem perspectiva se não a retirada dele. A condição de reajuste nesse substitutivo fala apenas da possibilidade de [reajuste], mas não dá garantia. E essa garantia quem vai buscar somos nós, e para isso, vamos paralisar o estado de São Paulo", concluiu.

Os deputados não comentaram nenhuma das considerações feitas pelas entidades. Ao final, Barros Munhoz garantiu que o Projeto não passa pela aprovação do jeito que está. "Falar em congelamento sem dar reajuste há três, quatro, cinco anos, como foi dito aqui, é óbvio que o processo está invertido". Munhoz informou ainda que o próximo passo é levar as explanações a os deputados e em seguida, ao Governo Estadual.

Ao final, as entidades conversaram sobre a manifestação marcada para o dia 28 de novembro, também na Assembleia Legislativa. Participarão do ato representantes de entidades ligadas à Comissão Consultiva do Iamspe.

 
 
 
22/4/2018 - Assetj
Assembleia do Judiciário marcada por resistência e pressão ao TJSP

Diversas pautas foram discutidas entre as lideranças e os servidores.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Filiada à:
            
 
 
Links úteis:
        
      
 
 
 
Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
Rua Tabatinguera, 91 - São Paulo - SP - Cep 01020-001 - Fone: (11) 3291-4077
 
 
Agenda eletrônica